Sinalização de Trânsito: Conheça a História

empresa de sinalização viária
Empresa de Sinalização Viária na Zona Leste
29 de março de 2021
tachão refletivo
Tachão Refletivo: para que serve e quais os tipos
12 de abril de 2021
Exibir tudo

Sinalização de Trânsito: Conheça a História

sinalização de trânsito
 

A sinalização de trânsito segundo o Código Brasileiro de Trânsito (CTB) é o conjunto de sinais de trânsito e dispositivos de segurança colocados em rodovias e vias públicas com o objetivo de garantir sua utilização adequada, quer informando-os dos perigos, das prescrições relativas à circulação e dos elementos úteis à tomada de decisões, quer indicando-lhes os pontos de referência e equipamentos úteis aos seus deslocamentos.

A sinalização de trânsito inclui dois grandes grupos: a sinalização vertical (incluindo placas de trânsito, balizas e semáforos) e a sinalização horizontal (constituída pelas marcas no pavimento das estradas). Mas falaremos sobre esse tema no final do artigo. Agora vamos conhecer um pouco da história da sinalização de trânsito.

História da Sinalização de Trânsito

sinalização de trânsito

A mais antiga sinalização de trânsito era constituída pelos marcos miliários, os quais indicavam distâncias ou direções. O Império Romano erigiu destes marcos, sob a forma de colunas de pedra, ao longo da sua vasta redes de estradas, os quais indicavam a distância até Roma. Na Idade Média, tornou-se comum a existência de sinais multidirecionais em interseções de estradas, as quais indicavam direções de cidades e vilas.

O mais antigo regulamento de trânsito conhecido na Europa foi estabelecido em 1686, pelo Rei D. Pedro II de Portugal. Este regulamento previa a colocação de sinais de prioridade nas ruas mais estreitas de Lisboa, definindo qual o tráfego que deveria recuar para ceder passagem. Um desses sinais ainda subsiste na Rua do Salvador, no bairro de Alfama.

Como surgiu os primeiros sinais de trânsito?

Os primeiros sinais de trânsito modernos desenvolvidos em larga escala foram projetados para os ciclistas, no final da década de 1870 e inícios da de 1880. As bicicletas eram meios de transporte rápidos, silenciosos e de difícil controle, sendo que, para além disso, os ciclistas viajavam ao longo de distâncias consideráveis e, frequentemente, preferiam circular por estradas desconhecidas.

As organizações ciclísticas começaram por isso a instalar sinais que alertavam os ciclistas para os potenciais perigos das estradas, normalmente inclinações acentuadas, além de indicarem também distâncias e direções. 

O desenvolvimento do automóvel encorajou o estabelecimento de sistemas de sinalização mais complexos, usando mais do que avisos baseados em textos. Um dos primeiros destes sistemas foi estabelecido pelo Touring Club Italiano em 1895.

Em 1900, num congresso internacional das organizações de turismo, realizado em Paris, foram debatidas propostas de normatização da sinalização de trânsito. Em 1903, o Governo Britânico introduziu quatro sinais de trânsito de âmbito nacional, mas os padrões básicos da maioria dos sinais foram estabelecidos no congresso internacional rodoviário de Paris de 1908.

A evolução da sinalização de trânsito

sinalização de trânsito

Os sinais de trânsito da era pré-industrial eram principalmente feitos de pedra ou madeira. O desenvolvimento das técnicas metalúrgicas, a partir do final do século XVIII, levou a que o ferro fundido começasse gradualmente a substituir aqueles materiais em alguns países. Outros países privilegiaram os sinais em cimento armado.

Na segunda metade do século XX, os sinais de trânsito começaram gradualmente a ser feitos em alumínio, um material facilmente deformável, o que reduz o risco de ferimentos e danos em caso de acidentes.

A sinalização de trânsito e a tecnologia

A nova geração de sinais de trânsito consiste em sistemas eletrônicos de mensagem variável (texto e símbolos), controlados por sensores automáticos ou manualmente por ação remota, os quais permitem uma gestão inteligente do tráfego rodoviário.

Em diversos países, avisos de tráfego são transmitidos diretamente para os sistemas de navegação dos veículos, através de ondas de rádio, dados celulares 3,4,5G e emissões por satélite.

Finalmente, os veículos podem passar ser controlados por sistemas de leitura de placas de matrícula ou transponders RFID ligados a antenas colocadas sobre as estradas, como meios de suporte à sinalização de bordo, pagamento de portagens, controle de tempos de viagem e verificações de segurança.

A sinalização de trânsito no Brasil

sinalização de trânsito

Os sinalização de trânsito no Brasil, assim como na maioria dos países da América do Sul e do mundo, são baseados na sinalização definida na Convenção de Trânsito Viário, realizada em Viena, Áustria, em 08 de novembro de 1968.

As atualizações e melhorias adotadas no país são inspiradas na engenharia de trânsito dos Estados Unidos, que publica uma série de manuais e tratados periodicamente revisados e atualizados através do Federal Highway Administration.

Categorias da Sinalização de Trânsito

A sinalização de trânsito tem evoluído ao longo dos tempos. Atualmente, encontra-se regulamentada, compreendendo placas de trânsitos, sinalização vertical, sinalização horizontal, que regulamenta, advertem ou indicam alguma informação ao condutor de veículos e aos pedestres. No Brasil, a sinalização de trânsito possui três principais categorias:

  • Placas de sinalização de regulamentação

Geralmente de cor vermelha, é utilizadas para regulamentar, ou seja, é obrigatório que se cumpra a sua indicação. No caso de descumprimento da regulamentação, o condutor esta sujeito as multas e penalidades cabíveis.

  • Placas de sinalização de advertência

Geralmente de cor amarela, é utilizada para advertir o condutor sobre alguma informação da pista, como curva a direita, curva a esquerda. São placas apenas de alerta, e não possuem caráter punitivo.

  • Placas de sinalização de indicação

Possuem diversas cores e formatos, dependendo da região. São elas as placas de identificação local (fundo azul), de orientação de destino (fundo verde), educativas (fundo branco) e de serviços auxiliares (fundo azul).

Há também as placas atrativos turísticos geralmente com fundo branco, com o sinais e letras em cor preta, indicam as atrações turísticas locais e placas com fundo marrom, indicam o nome e o sentido dos locais, como também placas de sinalização de obras de fundo laranja e outras placas indicativas variadas.

Esses tipos de  sinalização de trânsito citados acima, fazem parte da categoria de sinalização vertical, mas não podemos esquecer da sinalização horizontal, que são sinais implantados na pista de rolamento com faixas, tachas, olho de gato, entre outros sinais de trânsito importantes.

Bom, espero que tenha gostado do conteúdo que contém muitas curiosidades sobre a sinalização de trânsito.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/ - Texto adaptado

 

Marcos Moreira
Marcos Moreira
Analista de Marketing Digital | Agência Web Marketing

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *